Entendendo os efeitos futuro do aquecimento global a partir de uma análise comparativa das principais cidades pelo mundo.

Por: Jean-François Bastin , Emily Clark, Thomas Elliott, Simon Hart, Johan van den Hoogen, Iris Hordijk, Haozhi Ma, Sabiha Majumder, Gabriele Manoli, Julia Maschler, Lidong Mo, Devin Routh, Kailiang Yu, Constantin M. Zohner, Thomas W. Crowther

https://doi.org/10.1371/journal.pone.0217592

Aquecimento Global mudará clima em muitas cidades pelo mundo

Combater o Aquecimento Global requer ação unificada em todos os setores da sociedade. No entanto, essa ação coletiva é impedida pela “lacuna de consenso” entre o conhecimento científico e a opinião pública. Aqui, testamos até que ponto as cidades icônicas em todo o mundo provavelmente mudarão em resposta à mudança climática. Ao analisar comparativamente, 520 das principais cidades do mundo, testamos se seu clima em 2050 se assemelhará mais às próprias condições climáticas atuais ou às condições atuais de outras cidades em diferentes regiões bioclimáticas. Mesmo sob um cenário climático otimista (RCP 4.5), descobrimos que 77% das cidades futuras têm grande probabilidade de vivenciar um clima mais próximo do de outra cidade existente do que de seu próprio clima atual. Além do que, 22% das cidades experimentarão condições climáticas que atualmente não são experimentadas por nenhuma das principais cidades existentes. Como uma tendência geral, descobrimos que todas as cidades tendem a mudar para os sub-trópicos, com as cidades do hemisfério norte mudando para condições mais quentes, em média ~ 1000 km ao sul (velocidade ~ 20 km.ano).-1 ) e cidades dos trópicos mudando para condições mais secas. Nós prevemos que o clima de Madrid em 2050 se assemelhará ao clima de Marrakech hoje, Estocolmo se assemelhará a Budapeste, Londres a Barcelona, ​​Moscou a Sofia, Seattle a São Francisco, Tóquio a Changsha. Nossa abordagem ilustra como os dados climáticos complexos podem ser tabulados para fornecer informações tangíveis. A avaliação global dos análogos da cidade pode facilitar a compreensão da mudança climática em nível global, mas também ajudar os administradores de terras e urbanistas a visualizar os futuros climáticos de suas respectivas cidades, o que pode facilitar a tomada efetiva de decisões em resposta às mudanças climáticas em andamento.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta